Notícias

Suspensão de fornecimento de refeições pela SESA é um perigoso contrassenso

Implantada no dia 7 abril como medida para reduzir o risco de contaminação pelo novo Coronavírus entre o pessoal da Saúde estadual, o fornecimento de refeições para servidoras e servidores, e também para terceirizados, com jornada de 40 horas teve sua suspensão anunciada pela SESA nesta quinta-feira (13), valendo a partir da próxima segunda-feira (17). As chefias estão sendo informadas sobre essa alteração.

Tal medida é um perigoso contrassenso e traz riscos para as equipes hospitalares e para a população como um todo.

O memorando circular que implantou a medida em abril afirmava que a medida estaria vigente enquanto durasse o período de enfrentamento à pandemia. Logo, a primeira contradição é esta: a pandemia não acabou, o Paraná passou dos 100 mil casos notificados, e a contaminação está em constante crescimento.

Profissionais da Saúde que já se encontram em situação de grande exposição ao risco de se contaminarem terão que se deslocar para se alimentar em restaurantes, lojas de conveniência e outros estabelecimentos (caso decidam fazer refeições externamente). Com esta atitude a SESA está expondo ainda mais essas trabalhadoras e esses trabalhadores.

Há também casos de unidades que não têm estrutura adequada para alimentação de quem optar por trazer refeição de casa.

Por ser o órgão ligado diretamente ao combate à pandemia, a SESA deveria dar o exemplo para a sociedade, mantendo medidas preventivas já adotadas e implementando outras ainda mais eficazes, mas tem optado por fazer justamente o contrário.

O SindSaúde-PR já protocolou ofício para que a SESA recue da medida e mantenha o fornecimento de refeições, diante do risco sanitário para os servidores e para a população. O sindicato também solicitou audiência com o secretário de Saúde, Beto Preto, para tratar do assunto com urgência.

Fonte: Sindsáude