Notícias

SindSaúde-PR participa dos protestos do 8M no Paraná

O SindSaúde-PR vai para as ruas protestar no dia 8 de março junto com os movimentos sociais e das mulheres. Nesta data, atos públicos são realizados em todo o mundo, organizados por entidades sindicais de trabalhadoras e trabalhadores, movimentos sociais e coletivos ligados a movimentos feministas. A data é tida como o Dia Internacional de Luta das Mulheres Trabalhadoras. Confira aqui um pouco mais desta história.

Em Curitiba, o ato organizado pela Frente Feminista de Curitiba e Região Metropolitana terá como temas a luta por direitos humanos, paz, liberdade, dignidade, direito ao trabalho, terra, educação, saúde, segurança, saneamento, livre crença religiosa, planejamento reprodutivo e igualdade de gênero. Em várias cidades do estado (confira programação no fim da matéria), os atos abordarão vários temas como feminicídio e a conjuntura política.

“A Organização Mundial da Saúde (OMS) já coloca o Brasil como um dos países mais perigosos para as mulheres, com a quinta maior taxa de feminicídios entre 84 nações pesquisadas”, alerta a coordenadora-geral do SindSaúde-PR, Olga Estefania. “Isso expressa todo machismo e opressão de gênero que sofremos e, certamente, as mulheres nas favelas e nas periferias sofrem muito mais.”

Ela lembra que o ato do 8M é para chamar as mulheres ao enfrentamento. “Precisamos exigir nossos direitos, que incluem acesso à saúde de qualidade. Queremos respeito e qualificação adequada para o atendimento de casos de violência contra a mulher. Por isso é muito importante que as servidoras da nossa categoria participem”, reforça a dirigente. “Precisamos de ambientes de trabalho apropriados para receber as mulheres, profissionais e pacientes.”

Os atos do 8M reforçam a prioridade da gestão do SindSaúde-PR, de inclusão e combate à discriminação, na busca coletiva por direitos sociais e trabalhistas, com respeito, valorização e reconhecimento.

Dados

Somente em 2018, o Brasil registrou 1.206 casos de feminicídio, de acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública. No Paraná, no mesmo ano, esse número foi de 63 vítimas, segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SESP). Em 2019, no Estado, a violência de gênero levou à morte 73 mulheres.

Os dados demonstram o pensamento ainda racista e machista da sociedade brasileira, que se reforça no aumento de homicídios contra mulheres negras, especialmente nas periferias. Desta forma, neste ano, o mote marcha do 8M em Curitiba será: ‘As mulheres da favela exigem paz’.

Curitiba

Na Capital do Paraná, a organização do ato conta com a participação da Frente Feminista de Curitiba e Região Metropolitana. O 8M terá início às 8h, no Parolin.

Confira alguns pontos da programação:8h: Concentração na Rua Santa Zita 281, no Parolin (em frente ao Residencial Araguai);
9h: 1º Ato – Denuncia da violência que atinge a favela – rua Santa Zita, 281 (em frente ao Residencial Araguai);
9h30: Saída da marcha;
2º Ato: A exploração do trabalho – em frente ao Supermercado Extra, na Av. Kennedy;
3º Ato: Educação e Moradia – em frente à Escola Municipal na rua Lamenha Lins;
4º Ato: A Paz que queremos e como vamos construí-la – com a participação da ‘Bloca Feminista Ela Pode/Ela Vai’;
12h: Previsão de finalização da marcha.

Foz do Iguaçu

Em Foz do Iguaçu, a Marcha das Mulheres, organizada pelo 8M – Foz do Iguaçu, será no sábado (7) com o tema “Pela vida das mulheres – Somos todas Marielle”! A caminhada irá das 10 às 15 horas no Bosque Guarani. No domingo, haverá panfletagem a partir das 8 horas na Feirinha da JK.

Londrina

A Frente Feminista de Londrina promove o evento “Mulheres trabalhadoras em luta pela vida digna: movimento de mulheres construindo a democracia”. Confira a programação:

8h às 10h: Café da manhã Feminista e atividades para as crianças – Vila Cultural Flapt

9h: Roda de conversa “Não retirem nossos direitos” — Vila Cultural Flapt

10h: Concentração para o ato “Mulheres em luta por vida digna: movimento de mulheres construindo a democracia” — Feira Livre da Saul Elkind

Maringá

O Fórum Maringaense das Mulheres “Basta de Feminicídio” anunciou a concentração para as 9 horas no portão do Parque do Ingá. De lá, partirá caminhada ao redor do parque e em direção Fórum de Justiça. Cruzes e sapatos femininos serão fixados pelo caminho para lembrar mulheres que foram assassinadas.

Ponta Grossa

O Movimento Feminista homenageará a bailarina Maria da Glória Poltronieri Borges, 25 anos, assassinada em janeiro em uma cachoeira próxima a Maringá. A concentração do ato será às 16h30 na Igreja dos Polacos com uma oficina de cartazes contra o feminicídio. A manifestação seguirá pela Avenida Vicente Machado em direção ao Parque Ambiental.

Guarapuava

A concentração será às 16 horas na Praça da Ucrânia com oficina de lambes e batuques. A partir das 17 horas, será realizada uma roda de conversa sobre retirada de direitos das mulheres no governo Bolsonaro, CMEIS em horário integral em Guarapuava e pautas de reivindicações.

Fonte: SindSaúde-PR