Notícias

SindSaúde-PR inicia mobilizações contra as privatizações de hospitais

ChamadaSindsaudeContraPrivatização

ChamadaSindsaudeContraPrivatizaçãoAproveitando-se da pandemia de Covid-19, o governador Ratinho Jr segue dando provas de que sua única estratégia para a Saúde é reduzir as responsabilidades do Estado.

O governo quer abrir mão da gestão do Hospital Zona Norte (HZN) e do Hospital Zona Sul (HZS), de Londrina, do Hospital de Dermatologia Sanitária São Roque (HDSPR), em Piraquara, e do Hospital Adauto Botelho (HCAB), em Pinhais.
Em defesa do SUS 100% público e estatal, e do futuro das servidoras e servidores da SESA-PR, o SindSaúde-PR tem trabalhado intensamente contra essas privatizações.

Por isso, convidamos todas as filiadas e filiados a participarem das mobilizações que irão ocorrer a partir desta semana para organizar o enfrentamento a mais esse desmando de Ratinho Jr. Somente a nossa luta é capaz de pressionar o governo contra a barbárie. Participe!

Terça-feira (8 de junho)
20h: Auditório Hospital Zona Norte (HZN)

Quarta-feira (9 de junho)
9h: Auditório Hospital Zona Sul (HZS)
Hemepar
20h: Auditório Hospital Zona Norte (HNZ)

Quinta-feira (10 de junho)
9h: Auditório Hospital Zona Norte (HZN)
15h: Auditório Hospital Zona Sul (HZS)
21h30: Auditório Hospital Zona Sul (HZS)

Sexta-feira (11 de junho)
17ª RS Farmácia Especial
15h: Auditório Hospital Zona Sul (HZS)
21h30: Auditório Hospital Zona Sul (HZS)

Por que combater as privatizações?
As privatizações vão gerar aumento de gastos, mais abertura à corrupção e desvios de recursos. As unidades serão espaços aberto para a perseguição às servidoras e servidores (principalmente a quem ousar reclamar ou denunciar os gestores) e o assédio moral será cada vez mais comum.
Além disso, haverá queda da quantidade e da qualidade do atendimento à população nas unidades, e a tendência será a contratação de trabalhadores em condições precárias e com baixos salários.

Por isso, o SindSaúde-PR convoca toda a categoria para lutar por um SUS 100% público e estatal.
É precisa barrar desde já esse processo de privatização dos hospitais, antes que o projeto se expanda e inclua ainda mais unidades.