Notícias

Pressão faz Bolsonaro recuar e revogar decreto que privatizava o SUS

Valeu a pressão do SindSaúde-PR junto com os movimentos em âmbito nacional.

Diante da rejeição em massa ao Decreto 10.530, que permitia ao Ministério da Economia desenvolver um projeto para entregar as Unidades Básicas de Saúde (UBS) do SUS à inciativa privada, o presidente da República, Jair Bolsonaro, recuou e emitiu um novo decreto no começo da noite de ontem (28).

O governo não aguentou a pressão da população, das entidades representativas da Saúde, da sociedade civil organizada, de parlamentares e políticos da oposição e até da base governista.

Grande parte da população está conseguindo enxergar que há intenções muito perversas na agenda do Governo Federal.

A pressão derrotou o projeto irresponsável e francamente genocida de um governo que destina todos os seus esforços para beneficiar os empresários da saúde privada e os mais ricos, e que não encontrou apoio nem mesmo em sua base.

 

Método perverso

Para nós, do SindSaúde-PR, apesar de mais essa derrota do governo, a sociedade não pode baixar a guarda. É necessário mantermos vigilância constante. Pode não parecer, mas há um método político por trás desse tipo de tentativa do governo.

A todo o momento eles apresentam projetos obscuros ou que seriam extremamente prejudiciais para a população, e depois recuam diante da rejeição popular. São experimentações (às vezes até parecem carregar um toque de sadismo) para ver qual proposta a população apoiaria ou não apresentaria rejeição.

Isso cria um clima de instabilidade permanente. É desgastante e faz com que a imagem do nosso país só piore aos olhos do mundo. Ao que parece, a intenção é cansar a população para que não encontre resistência quando forem implementar projetos ainda piores.

As trabalhadoras e os trabalhadores da Saúde mostraram, mais uma vez, disposição para lutar contra o desmonte do SUS. Com essa mesma garra faremos de tudo para barrar qualquer projeto que venha a prejudicar a nossa categoria e a população.

 

Fonte: Sindsaúde-PR