Geral

Hospital Regional do Litoral chega aos 100% de ocupação das UTIs de Covid-19

A flexibilização irresponsável das medidas de segurança para o combate à pandemia da Covid-19 começou a gerar efeitos graves para a população e para o sistema público de Saúde paranaense.

O Hospital Regional do Litoral (HRL) chegou a 100% de ocupação de leitos de UTI para Covid-19. A unidade, em Paranaguá, concentra todos leitos desse tipo em uma região composta por sete municípios e população de quase 250 mil habitantes.

Em reunião com o Ministério Público do Paraná (MP-PR), o SindSaúde-PR recebeu a informação de que 39 novos profissionais de Enfermagem irão reforçar a equipe na unidade.

No entanto, segundo a coordenadora geral do SindSaúde-PR, Olga Estefania, uma obra com projeto irregular da maternidade no prédio anexo do HRL, impede a ampliação dos leitos para esta emergência sanitária. E que essa situação merece ser apurada com severidade. A procuradora do MP-PR afirmou que esta situação está sendo apurada.

Outras reivindicações foram apresentadas pela coordenadora geral do SindSaúde-PR:

– Convocação de mais pessoas aprovadas no último concurso público da Sesa

– Aumento de orçamento das universidades públicas para seus laboratórios ampliarem a testagem na população, priorizando profissionais de saúde

– Mais diálogo da direção com as equipes na gestão de recursos humanos, para aprimorar o combate à doença dentro da unidade, e ouvir as demandas das próprias equipes por formação e capacitação permanente

– Atenção às necessidades EPIs em quantidade necessária, com qualidade

– Remanejamento, para o combate à pandemia, de R$ 396,2 milhões que Ratinho destinou à Secretaria de Infraestrutura e Logística e para a Secretaria de Desenvolvimento Urbano

 

A direção do HRL propôs a ampliação do contrato com o laboratório interno para agilizar o resultado dos testes em profissionais da unidade e assim reduzir seu tempo de afastamento, nos casos em que os resultados forem negativos.

Olga ainda comunicou a todos que o Conselho Estadual de Saúde (CES) aprovou uma resolução para o fechamento de atividades não essenciais, com o intuito de conter a mortalidade e a contaminação, podendo evitar ou ao menos amenizar o iminente colapso na saúde pública estadual.

A dirigente lembrou ainda que a situação crítica do HLR comprova que o sindicato estava correto desde o início da pandemia, quando a entidade alertou que o estado do Paraná não estava pronto para enfrentar os impactos do avanço da doença. Por isso, o SindSaúde-PR continuará atuando para que o governo estadual aumente a capacidade de atendimento das unidades nas diferentes regiões do estado.

É preciso lembrar que há 139 servidoras e servidores da Saúde estadual com afastamento por atestado ou para cumprir com as determinações dos decretos e resoluções da Sesa e do governo, com tendência a aumentar com o avanço da doença no estado.

Apesar de o HLR estar com ocupação de 100% dos leitos de UTI, A região do litoral não foi incluída nas novas restrições determinadas pelo governador na terça-feira (30).

 

Fonte: Sindsaúde