Notícias

FES volta a cobrar da Seap compromisso com reivindicações

A pauta de reivindicações unificada das servidoras e servidores do Paraná foi reapresentada pelo Fórum das Entidade Sindicais (FES), na quarta-feira (18), à Secretaria de Administração e Previdência do Estado do Paraná (Seap). O SindSaúde-PR compõe o FES e esteve presente na reunião, representado pela coordenadora-geral, Olga Estefania.

Um dos pontos discutidos foi o veto do governador, Ratinho Júnior, de parte da reposição conquistada na greve de 2019. Segundo o acordo, a segunda parcela, de 1,5%, deveria ter sido paga em janeiro deste ano. A primeira, de 2%, veio em janeiro de 2020 e a terceira e última, de 1,5%, está prevista para o primeiro mês de 2022.

Também foram debatidos os 25% de reajuste pendente da data base, a adoção do Piso Mínimo Regional de 2021 e a volta dos anuênios, quinquênios e das promoções e progressões.

 

É possível pagar

Diante das alegações de que não há margem orçamentária para que os compromissos sejam respeitados, o FES cobrou mais uma vez que o debate seja aberto, já que tem acompanhado os números e, portanto, sabe que é possível o cumprimento dos acordos.

Em resposta, a Seap comprometeu-se a promover nova reunião entre as partes, com a participação da Secretaria da Fazenda (Sefa).

 

Capacitação e SAS

Também foram colocadas na mesa de debate a regulamentação da licença capacitação e questões ligadas ao Sistema de Assistência à Saúde (SAS).

Sobre a capacitação, há a necessidade da regulamentação da lei que criou a licença para que o funcionalismo passe a recebê-la. A Seap se comprometeu a colocar o FES junto ao departamento de Recursos Humanos da Secretaria para iniciar o processo.

No caso do SAS, os representantes do Fórum das Entidade Sindicais cobraram os repasses pendentes e também a permanência dos dependentes no sistema. O diretor geral da Seap, Elisandro Pires Frigo, garantiu ambas as reivindicações. Vale ressaltar que o Tribunal de Contas confirmou posição do FES de que o financiamento do SAS é de responsabilidade integral do estado do Paraná.

 

Fonte: SindSaúde-PR