Notícias

Estado de greve: fisioterapeutas e TO’s decidem intensificar mobilização

Estado de greve: fisioterapeutas e TO’s decidem intensificar mobilização

Estado de greve: fisioterapeutas e TO’s decidem intensificar mobilização

Em assembleia extraordinária convocada pelo SindSaúde-PR, servidoras e servidores fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais (TO’s) da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA-PR) decidiram pela declaração de um estado de greve, que intensificará a mobilização da categoria para a garantia de seus direitos.

O estado de greve precede a declaração formal de paralisação, trata-se de um momento prévio em que se aumentará a mobilização e a discussão com a categoria, visando preparar, organizar e articular a pressão e a negociação com a SESA-PR.

A indicação de futura greve se dá por conta da insistência do governo estadual em descumprir a Lei n.º 8.856/94, que que assegura jornada de 30 horas semanais dos profissionais fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais.

Diversas ações e articulações já foram feitas nesta luta, inclusive no âmbito judicial, mas a ausência de respostas efetivas por parte da SESA-PR obriga servidoras e servidores a seguirem pressionando.

A Secretaria tem atualmente 107 profissionais de fisioterapia e terapia ocupacional atuando no Estado, aos quais propôs que “optassem” entre manter sua jornada (garantida por lei) com redução de 25% do salário ou aumentá-la para 40h semanais, mantendo a mesma remuneração atual. Ambas opções são ilegais e abusivas.

Plano de lutas

Durante o estado de greve, estão previstas diversas ações para engajar e informar a categoria, e também para pressionar o poder público.

Nos dias 14, 21 e 28 de setembro haverá manifestações em frente à SESA-PR. Em 21 de setembro, haverá também uma audiência pública na Assembleia Legislativa, momento no qual também serão realizadas conversas com deputados e visitas a gabinetes a fim de cobrar uma postura sobre as ações ilegais do governo estadual.

Durante todo o mês serão realizadas ainda panfletagens e debates junto à categoria, em seus locais de trabalho, e as servidoras e servidores utilizarão uma tarja preta em seus uniformes, indicando o desacordo com os abusos da SESA-PR.

Além disso, espera-se que durante esse período a Justiça se posicione favoravelmente ao mandado de segurança solicitado pelo SindSaúde-PR e que, depois de inicialmente negado, está em fase de recurso.

Acompanhe as redes e comunicados do SindSaúde-PR para mais informações e apoie a mobilização dos profissionais da Saúde em defesa do serviço público e do respeito aos servidores e servidoras!

Fonte: SindSaúde