Notícias

Em audiência, CHT se recusa a incluir o SindSaúde-PR na comissão que avaliará assédio moral

Foto: AEN

O SindSaúde-PR se reuniu nesta quarta-feira (26) com a direção do Complexo Hospital do Trabalhador (CHT) em audiência realizada por meio de videoconferência, que contou com a mediação do Ministério Público do Trabalho do Paraná (MPT-PR), para debater as medidas de combate ao assédio moral, além de problemas estruturais no Hospital Oswaldo Cruz, que agora integra o CHT.

A direção do CHT se comprometeu a realizar um processo eleitoral para a formação de uma comissão de trabalhadores, independentemente do regime de contratação, para tratar dos casos de assédio moral nas unidades do Complexo. Entretanto, pretendem impedir o SindSaúde-PR de participar desse processo, o que é um absurdo, já que sem a presença da representação sindical não haverá garantias de que a comissão terá autonomia e que seus membros terão condições de atuar sem pressão dos gestores.

A decisão da direção do Complexo pode ser configurada como prática antissindical. A comissão criada para tratar das situações de assédio moral pode acabar sendo ela mesma vítima de assédio moral.

Há algo que a direção do CHT queira esconder do conjunto das servidoras e dos servidores?

Durante a audiência, o SindSaúde-PR requereu que ao CHT revise a sua decisão. O sindicato precisa participar diretamente do processo de formação dessa comissão, para que as ações de combate ao assédio moral e melhorias estruturais sejam fiscalizadas com independência, gerem resultados mais efetivos e ninguém não sofra represálias.

Essa audiência foi fruto de um relatório de denúncias que o sindicato enviou ao MPT-PR, contendo várias irregularidades nas unidades do CHT. Depois da cobrança do SindSaúde-PR, a direção do Complexo já tomou providências para resolver alguns problemas, mas há várias questões que ainda precisarão ser encaminhadas.

Continuaremos cobrando as medidas necessárias para garantir que as servidoras e os servidores tenham condições adequadas de trabalho.

 

Fonte: Sindsaúde-PR