Notícias

É nosso dever fortalecer a luta e a organização das mulheres negras

O Dia Internacional da Mulher Negra Afro-Latina-Americana e Caribenha foi comemorado no último sábado (25 de julho). A data simboliza a luta das mulheres negras por uma sociedade justa e livre de preconceitos, discriminação e violência.

A data comemorativa foi estabelecida em 1992, ao dia final do primeiro Encontro Internacional de Mulheres Afro-Latinas Americanas e Afro-Caribenhas, em Santo Domingo, na República Dominicana. No Brasil, a data relembra também Tereza de Benguela, líder do Quilombo de Quariterê, no Mato Grosso.

Em 2013, o Odara (Instituto da Mulher Negra, de Salvador) criou o julho das Pretas, com programação com atividades organizadas por mulheres negras. Em 2015, foi realizada a Marcha Nacional das Mulheres Negras Contra o Racismo e Pelo Bem Viver na Bahia, o que incentivou várias lideranças regionais a criarem seus movimentos.

Neste ano, no Paraná, entre 3 e 26 de julho foi realizada mais uma edição da programação regional, que se iniciou em 2017. Neste ano, devido à pandemia do novo Coronavírus, ela foi feita em plataformas online. Foi o Julho das Pretas PR 2020.

Foram dezenas de atividades envolvendo cultura, saúde e sociedade, numa demonstração de força, criatividade e entusiasmo em construir uma sociedade melhor.

Neste ano, diversas mortes causadas por racismo tiveram destaque no Brasil e no mundo, como a do menino João Pedro, assassinado pela polícia do Rio de Janeiro dentro de sua casa, ou a do menino Miguel, abandonado em um elevador na cidade de Tamandaré (PE), e mesmo o assassinato de George Floyd pela polícia, nos Estados Unidos, que gerou uma onda de indignação mundial.

Estudos indicam também que a Covid-19 afeta mais os negros e os pobres. Ou seja, além da violência, o racismo é também fonte de fragilidade sanitária.

Por isso, o SindSaúde-PR se engaja nas lutas por mudanças. Todas e todos temos um importante papel a contribuir na luta por uma sociedade mais justa, mais igualitária, e sem preconceitos.

 

Fonte: SindSaúde-PR