Notícias

Repúdio às piadas sexistas de Danilo Gentili sobre enfermeiras

O SindSaúde–PR repudia a atitude do pseudo-humorista Danilo Gentili em uma rede social nesta terça-feira (1) onde sua estapafúrdia tentativa de ser engraçado resultou em uma sonora ofensa às mais de 2 milhões de enfermeiras, auxiliares e técnicas de Enfermagem do Paraná e de todo o Brasil.

É inadmissível o desrespeito a profissionais que abrem mão de estar com a própria família para cuidar das pessoas e que têm trabalhado de forma sobre-humana desde o início da crise sanitária causada pela Covid-19. Sem falar naquelas tantas que, lutando para salvar vidas, também se tornaram vítimas da pandemia.

A “piada” reforça estigmas, colabora para a desvalorização da profissão da Enfermagem e tem impacto direto no cotidiano de todas essas mulheres.

Lutamos muito pela valorização da profissão e pelo reconhecimento do papel fundamental da categoria no âmbito da Saúde.

Portanto, esse tipo de abordagem em nada contribui para criar um ambiente profissional livre do assédio sexual.

O ataque feito não atinge apenas os profissionais da Saúde, mas todas as mulheres, ao menosprezar seu papel na sociedade, ainda mais em um país onde uma mulher é assassinada a cada duas horas, segundo o Atlas da Violência.

A conduta misógina do pseudo-humorista já é conhecida há muito tempo, e atitudes como essa mostram a aversão às mulheres, infelizmente tão comum na sociedade, e que resultam em discriminação, violência e objetificação sexual.

São, também, as principais causas de agressões físicas, psicológicas, sexuais, mutilações e perseguições, muitas culminando em feminicídio.

Esse tipo de comentário, infelizmente, é típico entre aqueles que estão no mesmo campo ideológico do “humorista”. Basta ver a quantidade e o nível dos comentários de seus apoiadores. São pessoas que confundem a liberdade de expressão como pretexto para ofender, discriminar ou fomentar violência moral e simbólica.

No Estado Democrático de Direito, todos e todas possuem a prerrogativa de se manifestarem livremente, desde que tal exercício não signifique ferir nome, privacidade, imagem, honra de pessoas ou grupos sociais.

Isso não é liberdade de expressão, é discriminação e ofensa contra uma categoria que salva vidas, conforta pessoas no momento de dor, apoia as famílias que em profunda tristeza não podem se despedir adequadamente de seus entes queridos e ajuda a aproximar quem está nos hospitais (em isolamento) de seus familiares, por meios virtuais.

Enquanto outros “influencers” estão revendo seus conceitos, dotando posturas mais humanizadas sobre temas sensíveis, Danilo Gentili continua apostando na radicalidade de um discurso que apenas contribuir para manter o ciclo de violência contra determinados setores da sociedade, especialmente contra as mulheres.

Por isso, não podemos admitir esse tipo de atitude, que vai além da ofensa. É repugnante e inaceitável.

 

Fonte: SindSaúde-PR