SindSaude Quarta-feira, 1 de abril de 2020

Notícias

Imprimir
  • 29/11/2006

    Mulheres lutam contra a violência e a desigualdade

    Para acabar com a violência e a discriminação de gênero, mulheres do Paraná estão realizando diversas atividades desde 25 de novembro
    Como vem ocorrendo nos últimos 16 anos, no dia 25 de novembro aconteceram manifestações pelo fim da violência contra a mulher. Hoje os atos alcançam 130 países. A data começou a ser referência da luta contra todas as formas de violência que atingem as mulheres em 1991, em homenagem às irmãs Patrícia, Minerva e Maria Teresa Mirabal, que foram mortas em 1960 por agentes da ditadura de Trujillo, na República Dominicana. As irmãs Mirabal eram ativistas políticas e faziam resistência á ditadura de Trujillo. A violência contra a mulher está em todos os lugares: na rua, no trabalho, na casa, nas escolas. É chamada sexista porque a mulher é vitimada apenas por ser mulher e é praticada por homem (marido, namorado, companheiro, padrasto, parentes ou desconhecidos). No Brasil, as mulheres conquistaram neste ano uma grande aliada contra a violência. Foi sancionada em setembro a Lei Maria da Penha, que cria mecanismos de assistência às mulheres vítimas da violência doméstica. Mas a discriminação contra as mulheres ocorre de diversas formas e se expressa na forma como vivemos e somos tratadas. Mulheres ganham menos, mesmo tendo maior tempo de estudo e, muitas realizam sozinhas o trabalho doméstico. Se forem negras, recebem salários menores ainda. Poucas ocupam espaços de decisão na sociedade e ser mãe e dona de casa é visto como uma obrigação e espaço prioritário da mulher. As piadinhas, passadas de mão dentro de ônibus, xingamentos, assédio moral e sexual, estupros, espancamentos e crimes não são o mundo que a gente quer. Para promover o debate sobre temas de interesse das mulheres na luta contra a desigualdade, entidades do movimento de mulheres vem realizando diversas atividades. Uma delas é a Jornada Feminista, com oficinas diversas e um Café Colonial. Confira a programação: 06 a 08 de dezembro I Seminário Mulheres Negras e Saúde, abertura dia 6, às 19h, no Anfiteatro 100 da Reitoria da UFPR, Edifício Dom Pedro I, Curitiba. Organização: Rede de Mulheres Negras/PR. 14 de dezembro Jornada Feminista Café Colonial Feminista Às 17h, no Salão Nobre da APP-Sindicato, à rua Voluntários da Pátria, 475, 14º andar, Edifício Asa, Curitiba. Valor R$ 5,00. 14 de dezembro Jornada Feminista Oficina A Realidade das Mulheres Vigilantes e das Servidoras Públicas, das 18h30 às 20h30, logo após o Café Colonial Feminista, no Salão Nobre da APP-Sindicato. 15 de dezembro Jornada Feminista Oficina Saúde e Sexualidade Das 18h30 às 20h30, no Salão Nobre da APP-Sindicato, à rua Voluntários da Pátria, 475, 14º andar, Edifício Asa, Curitiba.

Esta matéria pode ser reproduzida desde que citada a fonte.

Notícias relacionadas

Nenhum registro encontrado.

Av. Marechal Deodoro, 314, 8º andar, conjunto 801 - Edifício Tibagi, Curitiba, PR CEP: 80010-010 Telefone: (41) 3322-0921 E-mail: contato@sindsaudepr.org.br

DOHMS