SindSaude Segunda-feira, 27 de maio de 2019

Notícias

Imprimir
  • 17/10/2006

    Estatuto do Funcionário Público do Paraná

    Lei Ordinária 6174/70
    Lei Ordinária 6174/70 Estatuto do Funcionário Público Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Paraná Lei nº 6174/70, de 16 de novembro de 1970, publicado no DIOE 20/11/1970 Súmula: Estabelece o regime Jurídico dos funcionários civis do Poder Executivo do Estado do Paraná. A Assembléia Legislativa do Estado da Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: T Í T U L O I CAPÍTULO ÚNICO DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente Estatuto estabelece o regime jurídico dos funcionários civis do Poder Executivo do Estado do Paraná. Art. 2º. Funcionário é a pessoa legalmente investida no cargo público, que percebe dos cofres estaduais vencimentos ou remuneração pelos serviços prestados. T Í T U L O II DOS CARGOS E DA FUNÇÃO GRATIFICADA CAPÍTULO I DOS CARGOS SEÇÃO I Disposições Preliminares Art. 3º. Cargo é o conjunto de atribuições e responsabilidades cometidas a um funcionário, identificando-se pelas características de criação por lei, denominação própria, número certo e pagamento pelos cofres do Estado. Art. 4º. Os cargos públicos do Poder Executivo do Estado do Paraná são acessíveis a todos os brasileiros, preenchidas as condições prescritas em lei e regulamento. Art. 5º. A nomeação em caráter efetivo para cargo público exige aprovação previa em concurso publico de provas e títulos, salvo as exceções legais. Art. 6º. É vedada a atribuição, ao funcionário, de encargos ou serviços diferentes das tarefas próprias do seu cargo, como tal definidas em lei ou regulamento, ressalvado o caso de readaptação por redução da capacidade física e deficiência de saúde, na forma do art. 120, inciso I. Art. 7º. Os cargos podem ser de provimento efetivo ou de provimento em comissão. SEÇÃO II Dos cargos de Provimento Efetivo Art. 8º. Os cargos de provimento efetivo se dispõe em classes singulares ou séries de classes. Parágrafo único - Declarados extintos ao vagarem, os cargos de provimento efetivo não precisam conformar-se ao disposto neste artigo. Art. 9º. As classes e séries de classes integram grupos ocupacionais, que se compõem em Serviços. Art. 10. Para os efeitos desta lei: I - Classe é o agrupamento de cargos da mesma denominação e com iguais atribuições e responsabilidades; II - Série de Classes é o conjunto de classes da mesma natureza de trabalho, dispostas hierarquicamente, de acordo com o grau de complexidade ou dificuldade das atribuições e com o nível de responsabilidade, constituindo a linha natural de promoção do funcionário; III - Grupo Ocupacional é o conjunto de séries de classes ou classes que dizem respeito a atividade profissionais correlatas ou afins, quanto à natureza os respectivos trabalhos ou ao ramo de conhecimentos aplicados em seu desempenho; IV - Serviço é a justaposição de grupos ocupacionais, tendo em vista a similaridade ou a conexidade das respectivas atividades profissionais. Art. 11 - As atribuições, responsabilidades e características pertinentes a cada classe são especificadas em regulamento. Parágrafo único - As especificações para cada classe compreendem, além de outros, os seguintes elementos: denominação, código, descrição sintética das atribuições e responsabilidades, exemplos típicos de tarefas, características especiais, qualificações exigidas, forma de recrutamento, linhas de promoção e de acesso. SEÇÃO III Dos cargos de Provimento em Comissão Art. 12 - Os cargos de provimento em comissão se destinam a atender encargos de direção, de chefia, de consulta ou de assessoramento. § 1º - Os cargos de que trata este artigo são providos através de livre escolha do Chefe do Poder Executivo, por pessoas que reúnam as condições necessárias à investidura no serviço público e competência profissional. § 2º - A escolha dos ocupantes de cargos em comissão poderá recair, ou não, em funcionários do Estado. § 3º. No caso de recair a escolha em funcionário de órgão público não subordinado ao Governo Estadual, o ato de nomeação será precedido da necessária autorização da autoridade competente. § 4º. Sempre que o interesse da Administração o exigir, o Chefe do poder Executivo poderá dispensar os requisitos relativos à habilitação profissional legalmente indicada em cada caso, salvo quando por lei for exigida habilitação de nível técnico-científico. § 5º. A posse em cargo em comissão determina o concomitante afastamento do funcionário do cargo efetivo de que for titular, ressalvados os casos de acumulação legal comprovada. Art.13. As atribuições e responsabilidades dos cargos em comissão são definidas nas leis próprias ou nos regulamentos das respectivas repartições. CAPÍTULO II DO QUADRO DE PESSOAL Art. 14 . O Quadro compreende: I - Parte Permanente: II - Parte Suplementar. § 1º. A Parte Permanente é integrada pelos cargos de provimento efetivo e em comissão, considerados essenciais à Administração. § 2º. A Parte Suplementar agrupa os cargos automaticamente suprimidos, quando vagarem, assim estabelecidas em lei. § 3º. A lotação numérica dos órgãos da Administração Direta, a ser atendida com o pessoal integrante do Quadro, é regulada por Decreto executivo. CAPÍTULO III DA FUNÇÃO GRATIFICADA Art. 15. A função gratificada é vantagem acessória ao vencimento do funcionário, não constitui emprego e é atribuída pelo exercício de encargos de chefia, assessoramento, secretariado e outros para cujo desempenho não se justifique a criação de cargo em comissão. § 1º. Desde que haja recursos orçamentários para esse fim, o Poder Executivo poderá criar funções gratificadas, para atribuições previstas em regulamento próprio, onde se estabelecerá a competência para designar os servidores para exercê-las. § 2º. A dispensa da função gratificada cabe á autoridade competente para a respectiva designação. § 3°. A designação para função gratificada vigora a partir da data da publicação do respectivo ato, competindo à autoridade a que subordinará o funcionário designado dar-lhe exercício imediato. Art. 16. O Chefe do Poder Executivo Estadual é a autoridade competente para regulamentar e classificar as funções gratificadas, com base, entre outros, nos princípios de hierarquia funcional, analogia das funções, importância, vulto e complexidade das respectivas atribuições. § 1º. Na regulamentação determinar-se-á a correlação fundamental entre as atribuições do cargo efetivo e as da função gratificada, para cujo exercício for designado o funcionário. § 2º. Sempre que o interesse público o exigir, o Chefe do Poder Executivo poderá dispensar, em cada caso e temporariamente, a correlação a que lhe alude o parágrafo anterior. Art. 17. As gratificações de função tem os valores fixados em lei. T Í T U L O III DO PROVIMENTO DOS CARGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 18. Os cargos públicos são providos por: I - nomeação II - promoção; III - acesso; IV - transferência; V - readmissão; VI - reintegração; VII - aproveitamento; VIII - reversão; IX - readaptação; Art. 19. A primeira investidura em cargo de provimento efetivo dependerá de habilitação em concurso público de provas ou de provas e títulos, asseguradas as mesmas oportunidades para todos, observados os casos previstos em lei, em que a investidura dependa também de habilitação em curso mantido por instituição oficial do Estado. Parágrafo único - .... Vetado ... . Art. 20. Executados os casos de acumulação previstos em lei e verificados pelo órgão competente, não poderá o funcionário, sem prejuízo do seu cargo, ser provido em outro cargo efetivo. Art. 21. Compete ao Chefe do Poder Executivo prover, por decreto, os cargos públicos estaduais, na conformidade da Constituição das leis em vigor. Art. 22. Pode ser provido em cargo público somente quem satisfizer os requisitos seguintes: I - ser brasileiro; II - ser maior de dezoito anos; III - haver cumprido as obrigações e os encargos militares previstos em lei; IV - estar em pleno gozo dos direitos políticos; V - ter boa conduta; VI - gozar de boa saúde, comprovada em inspeção médica; VII - possuir aptidão para o exercício do cargo; VIII - ter satisfeito as condições especiais previstas para determinados cargos. Art. 23. Sob pena de responsabilidade da autoridade que der posse, o ato de provimento deverá conter as seguintes indicações: I - existência de vaga, com os elementos capazes de identificá-la; II- em caso de acumulação de cargos, referência ao ato ou processo em que foi autorizada. CAPÍTULO II DA NOMEAÇÃO Art. 24. A nomeação será, feita: I - em caráter vitalício, nos casos expressamente previstos na Constituição; II - em caráter efetivo, quando se tratar de nomeação para classe singular ou para classe inicial de série de classes; III - em comissão, quando se tratar de cargo que, em virtude de lei, assim deva ser provido; IV - em substituição, no impedimento legal de ocupante de cargo em comissão. Art. 25. A nomeação observará o número de vagas existentes, obedecerá rigorosamente á ordem de classificação no concurso e será feita para a respectiva classe singular ou classe inicial da série de classes, atendido o requisito de aprovação em exame de saúde, ressalvados os casos de incapacidade física, parcial, que, de acordo com a lei, não impeçam o exercício do cargo. Art. 26. Será tornada sem efeito a nomeação quando, por ato ou omissão pelos quais for responsável o nomeado, a posse não se verificar no prazo estabelecido no art.41. CAPÍTULO III DO CONCURSO Art. 27. A realização de concurso para provimento de cargos do Quadro Único caberá ao órgão central do Pessoal do Estado. Art. 28. Os concursos são de provas ou de provas e títulos. Art. 29. O concurso de que trata o art. 5º, será realizado para o provimento de cargos vagos nas classes iniciais das series de classes ou nas classes singulares que não estejam sujeitas a regime de provimento por acesso. Art. 30. Das instruções para o concurso constarão: o limite de idade dos candidatos, que não poderá exceder de quarenta e cinco anos completos; o número de vagas a serem providas, distribuídas por especialização; o prazo de validade do concurso, de dois anos, prorrogável a juízo do Chefe do Po- der Executivo. Parágrafo único - É assegurado o provimento dos cargos vagos, pelos candidatos para esse fim habilitados em concurso, dentro de noventa dias da abertura das respectivas vagas. Art. 31. Encerradas as inscrições, legalmente processadas, para concurso destinado ao provimento de qualquer cargo, não se abrirão novas antes de sua realização. Art. 32. Independe de limite de idade a inscrição em concurso de funcionário do Estado, da Administração direta ou indireta quando o provimento do cargo objeto do concurso não vier a ensejar acumulação com cargo já ocupado pelo candidato. Art. 33. O ocupante interino de cargo será inscrito ex-offício no primeiro concurso que se realizar, devendo satisfazer as formalidades da inscrição. Parágrafo único - Homologado o concurso, serão exonerados todos os interinos. CAPÍTULO IV DA POSSE Art. 34. Posse é o ato que completa a investidura em cargo publico. Parágrafo único - Independem de posse os casos de promoção, acesso, reintegração e designação para função gratificada. Art. 35. São requisitos para a posse, além dos exigidos pelo art. 22: I - habilitação prévia em concurso público, nos casos de provimento efetivo em cargo inicial; II - cumprimento das condições especiais previstas em lei ou regulamento para determinados cargos ou séries de classes. § 1º. A prova das condições a que se referem as Incisos I e II, do art. 22 e inciso I, deste artigo, não será exigida nos casos dos incisos IV, V, VII, VIII e IX, do art. 18. § 2º. Salvo menção expressa do regime de acumulação no ato de posse, ninguém poderá ser empossado em cargo efetivo, sem declarar que não exerce outro cargo ou função pública da União, dos Estados, dos Municípios, de autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista ou fundações instituídas pelo Poder Público ou sem provar que solicitou exoneração ou dispensa do cargo ou função que ocupava em qualquer dessas entidades. Art. 36. São competentes para dar posse: I - O Chefe do Perder Executivo, às autoridades que lhe sejam diretamente subordinadas; II - O Secretário de Estado, aos nomeados para cargos em comissão, até o nível departamental inclusive: III - Os Diretores, aos funcionários que lhes forem subordinados. Art. 37. A posse verificar-se-á mediante a lavratura de um termo, no qual o nomeado prestará o compromisso de desempenhar com lealdade e exação os deveres do cargo e cumprir fielmente a Constituição, as leis e regulamentos, envidando esforços em bem do Estado e do regime. Parágrafo único - O termo será assinado pelo nomeado e pela autoridade que lhe der posse. Art. 38. No ato da posse, será apresentada declaração, pelo funcionário empossado, dos bens e valores que constituem o seu patrimônio, nos termos da regulamentação própria. Art. 39. Poderá haver posse por procuração, com poderes expressos, quando se tratar de funcionário ausente do País, em missão do Governo, ou, ainda, em casos especiais, a juízo da autoridade competente. Art. 40. A autoridade que der posse verificará, sob pena de responsabilidade, se foram satisfeitas as condições legais para esse fim. Parágrafo único - Nenhum funcionário poderá tomar posse sem exibir o titulo de nomeação. Art. 41. A posse terá lugar no prazo de trinta dias da publicação, no órgão oficial de divulgação, do ato de provimento. § 1º. A requerimento do interessado ou de seu representante legal, o prazo para a posse poderá ser prorrogado ou revalidado pela autoridade competente, até o máximo de trinta dias, a contar do término do prazo de que trata este artigo. § 2º. O prazo inicial para o funcionário em férias ou em licença, exceto no caso de licença para tratar de interesses particulares, será contado da data em que o funcionário voltar ao serviço. § 3º. Se a posse não se der dentro do prazo inicial e da prorrogação ou da revalidação, desde que concedidas, será a nomeação tornada sem efeito, por decreto. CAPÍTULO V DA FIANÇA Art. 42. o funcionário nomeado para cargo cujo provimento dependa da prestação de fiança não poderá entrar em exercício sem prévia satisfação dessa exigência. § 1°- A fiança poderá ser prestado em: I - dinheiro; II - titulo da divida pública; III - apólice de seguro de fidelidade funcional, emitida por instituição oficial ou legalmente autorizada para esse fim. § 2º. Não se admitirá o levantamento da fiança antes de tomadas as contas do funcionário. CAPÍTULO VI DO ESTÁGIO PROBATÓRIO Art. 43. Estágio probatório é o período de dois anos de efetivo exercício, a contar da data do inicio deste, durante o qual são apurados ou requisitos necessários à confirmação do funcionário no cargo efetivo para o qual foi nomeado, § 1º. Os requisitos de que trata este artigo são os seguintes: I - idoneidade moral; II - assiduidade; III - disciplina; IV - eficiência. § 2º. Para efeito do estágio probatório será contada a interinidade no mesmo cargo, desde que não tenha havido interrupção. § 3º. Quando funcionário em estágio probatório não preencher qualquer dos requisitos enumerados no § 1º deste artigo, caberá ao seu chefe imediato, sob pena de responsabilidade, iniciar o processo competente, dando ciência do fato ao interessado. § 4º. O processo referido no parágrafo anterior se conformará ao que dispuser a regulamentação própria. § 5º - Na ausência da iniciativa do Chefe imediato do estagiário de que trata o § 3º, deste artigo, será este automaticamente confirmado no cargo. CAPÍTULO VII DO EXERCÍCIO SEÇÃO I Disposições Preliminares Art. 44. O início, a interrupção e o reinicio do exercício serão registrados no assentamento individual do funcionário. Parágrafo único - O início do exercício e as alterações que neste ocorrerem serão comunicados pelo Chefe da repartição ou serviço em que estiver lotado o funcionário ao órgão competente. Art. 45 - Ao Chefe da unidade administrativa para a qual for designado o funcionário compete dar-lhe exercício. Art. 46 - O exercício do cargo ou da função terá início no prazo de trinta dias contados da data: I - da publicação oficial do ato, no caso de reintegração, remoção e transferência; II - da posse, nos demais casos. § 1º - Os prazos previstos neste artigo podarão ser prorrogados, por solicitação do interessado e a juízo da autoridade competente, desde que a prorrogação não exceda de trinta dias. § 2º - O funcionário removido ou transferido, quando licenciado, terá quinze dias de prazo para entrar em exercício, a partir do término da licença. § 3º - O funcionário removido ou transferido para repartição situada na mesma sede, terá oito dias de prazo para entrar em exercício. Art. 47. A promoção não interrompe o exercício, que é contado na nova classe a partir da data da publicação do ato que promover o funcionário. Art. 48. Será demitido o funcionário que não entrar em exercício no prazo de trinta dias e aquele que interromper o exercício por igual prazo, ressalvados os casos que encontrem amparo em outras disposições deste Estatuto. Art. 49. O número de dias que o funcionário gastar em viagem para entrar em exercício será considerado, para todos os efeitos, como de efetivo exercício. Art. 50. O funcionário terá exercício na unidade administrativa em que for lotado. § 1º. Nenhum funcionário poderá ter exercício em unidade administrativa diferente daquela em que estiver lotado, salvo os casos previstos neste Estatuto ou prévia autorização do Chefe do Poder Executivo. § 2º. Na hipótese do parágrafo anterior, o afastamento do funcionário só será permitido para fim determinado e por prazo certo. Art. 51. Entende-se por lotação o número de servidores, por categoria funcional, que devem ter exercício em cada unidade administrativa. Art. 52. O afastamento do funcionário só se verifica nos casos previstos neste Estatuto. § 1º. O afastamento não se prolongará por mais de quatro anos consecutivos, salvo quando para exercício de cargo de direção ou em comissão nos Governos da União, dos Estados ou dos Municípios, ou na hipótese de funcionário á disposição da Presidência da República, ou, ainda, para exercício de cargo eletivo no âmbito federal, estadual ou municipal, casos em que poderá permanecer afastado durante todo o tempo em que perdurar a comissão ou a requisição, ou durante o prazo do respectivo mandato. § 2º. Nenhum funcionário poderá ausentar-se do Estado, para estudo ou missão de qualquer natureza, com ou sem ônus para os cofres públicos, sem autorização ou designação expressa do Chefe do Poder Executivo. § 3º. Preso preventivamente, pronunciado por crime comum ou denunciado por crime funcional, ou, ainda, condenado por crime inafiançável em processo no qual não haja pronúncia, o funcionário será afastado do exercício, até decisão final passada em julgado. § 4º. Durante o afastamento, o funcionário perderá um terço do vencimento ou remuneração, tendo direito á diferença, se for, a final, absolvido. § 5º. No caso de condenação, se esta não for de natureza que determine a demissão do funcionário, continuará o mesmo afastado do exercício, nos termos do disposto pelo Art. 160. SEÇÃO II Do Regime de Trabalho Art. 53. O Chefe do Poder Executivo determinará, por decreto, quando não discriminados em lei ou regulamento: I - para as repartições, horários de trabalho normal; II - para cada cargo, o mínimo de horas exigíveis por semana, especialmente se sua natureza acarreta prestação de serviços à noite, sábados, domingos e feriados; III - o regime de trabalho em turnos, quando for aconselhável, indicando o número certo de horas de trabalho exigível por semana, respeitada a legislação em vigor; IV - quais os funcionários que, em virtude das atribuições que desempenham, não estão obrigados a “ponto’ § 1º - O horário de trabalho normal, estabelecido para todos os serviços estaduais, ou para determinados órgãos cargos ou funções, não poderá exceder a quarenta horas, nem ser inferior a trinta e duas horas e meia semanais. § 2º - Excetua-se do limite mínimo fixado no parágrafo anterior, o regime de trabalho expressamente estabelecido em lei para os funcionários que operam com Raios X e substâncias radioativas, próximos às fontes de irradiação, e outros abrangidos por legislação federal específica. Art. 54 - A freqüência ao serviço será apurada: I - através de “ponto”; II - pela forma determinada pelo Chefe do Podar Executivo, quanto a funcionários não obrigados a “ponto”. Parágrafo único - “Ponto” é o controle diário do comparecimento e da permanência do funcionário no serviço, devendo, registrar todos os elementos necessários á apuração da freqüência, permanente por meios mecânicos. Art. 55 - Nos dias úteis, só por determinação do Chefe do Poder Executivo podem deixar de funcionar as repartições estaduais ou ser suspensos os seus trabalhos. Parágrafo único - nos casos especiais, em que se deva, por motivo de segurança ou força maior, suspender os trabalhos da repartição, essa medida será determinada pelo Secretário do Estado ou Diretor de Departamento autônomo, ad-referendum do Chefe do Poder Executivo. SEÇÃO III Do Regime de Tempo Integral e Dedicação Exclusiva Art. 56. O regime de tempo integral e dedicação exclusiva poderá ser aplicado, no interesse da Administração e ressalvado o direito de opção, na forma que a lei dispuser: I - aos que exerçam atividades de pesquisas; II - aos que exerçam atividades cientificas; III - aos que exerçam atividades de natureza técnica; IV. a ocupante de cargo ou função que envolva responsabilidade de direção, chefia ou assessoramento; V - ao conjunto de funcionários de determinadas unidades administrativas ou de setores das mesmas, quando a natureza do trabalho o exigir. Parágrafo Único - Em casos excepcionais, devidamente justificados, o regime de tempo integral e dedicação exclusiva poderá ser aplicado, individualmente, a qualquer funcionário que esteja incluído numa das hipóteses indicadas neste artigo, mediante proposta do dirigente da unidade administrativa. Art. 57. O regime de trabalho, a que se refere o artigo anterior, poderá ser aplicado em caráter obrigatório, a critério do Chefe do poder Executivo, tendo em vista a essencialidade, complexidade e responsabilidade de determinadas funções, cargos ou atribuições, bem como as condições e a natureza do trabalho das unidades administrativas correspondentes. Art. 58. Considera-se regime de tempo integral exercício da atividade funcional sob dedicação exclusiva, ficando o funcionário proibido de exercer cumulativamente outro cargo, função ou atividade particular de caráter profissional ou público de qualquer natureza. Parágrafo Único - Não se compreendem na proibição deste artigo: I - o exercício em um órgão de deliberação coletiva, desde que relacionado com o cargo exercido em tempo integral; II - as atividades que, sem caráter de emprego, se destinam à difusão e aplicação de idéias e conhecimentos, excluídas as que prejudiquem ou impossibilitem a execução das tarefas inerentes ao regime de tempo integral; III - a prestação de assistência não remunerada a outros serviços, visando à aplicação de conhecimentos técnicos ou científicos, quando solicitada através da repartição a que pertence o funcionário. Art. 59. o funcionário que se achar legalmente acumulado e for colocado em regime de tempo integral em razão de um dos cargos, será automaticamente afastado de outro, com perda de vencimentos e demais vantagens financeiras, a partir da data em que assinar o competente termo de compromisso. § 1º. Na hipótese prevista neste artigo e quando funcionário ocupar cargo de provimento em comissão, em razão do qual tenha sido submetido ao regime de tempo integral e dedicação exclusiva, ficará automaticamente afastado do cargo ou cargos que vinha exercendo antes daquela investidura, com perda dos respectivos vencimentos e demais vantagens financeiras, sem prejuízo de contagem de tempo. § 2º. Cessada a sujeição do funcionário ao regime de tempo integral e dedicação exclusiva, reassumirá ele, automáticamente, o cargo ou cargos, dos quais houver sido afastado observadas as disposições legais sobre a reassunção do exercício. Art. 60 - Pelo exercício de cargo em regime de tempo integral e dedicação exclusiva, perceberá o funcionário gratificação mensal indivisível, fixada por Decreto, nos termos do disposto pelo Art. 177, desta Lei. Parágrafo único - O funcionário que ocupar mais de um cargo, mediante acumulação legalmente permitida, e estiver submetido ao regime de tempo integral a dedicação exclusiva, poderá, ao passar à inatividade, optar pela situação que mais lhe convier, observado o disposto neste artigo, sendo vedada a acumulação dos benefícios em ambos os cargos, a qualquer título. Art. 61 - O regime de tempo integral obriga a um mínimo de quarenta e duas horas e meia semanais de trabalho, sem prejuízo de permanecer o funcionário à disposição do órgão em que estiver em exercício sempre que as necessidades do serviço assim exigirem. Art. 62 - O funcionário colocado em regime de tempo integral e dedicação exclusiva assinará termo de compromisso em que declare vincular-se ao regime, obrigando-se a cumprir os horários ao mesmo inerentes, fazendo jus aos seus benefícios somente enquanto nele permanecer. Parágrafo único - Verificada em processo administrativo a infringência do compromisso decorrente do regime de tempo integral e dedicação exclusiva, o funcionário ficará sujeito á pena de demissão, sem prejuízo da responsabilidade criminal e civil. SEÇÃO IV Do Desvio de Função Art. 63. Nenhum servidor poderá desempenhar atribuições diversas das pertinentes á classe a que pertence, salvo se tratar de função gratificada, de cargo em comissão ou no caso de substituição. § 1º. Em caso de necessidade imperiosa de serviço, poderão ser cometidos ao servidor, mediante previa autorização do órgão competente, por prazo não superior a seis meses, atribuições não compreendidas na especificação do seu cargo. § 2º. Cessados os motivos de desvio de função ou decorrido o prazo do parágrafo anterior, devem o servidor retornar às ocupações que competem à sua classe. Art. 64. Apurado que o servidor tenha sido desviado de função, com inobservância dos preceitos da lei, o órgão de administração de pessoal organizará processo próprio e proporá as medidas e sanções cabíveis, inclusive à autoridade que houver permitido. § 1º. O desempenho, pelo servidor, de atribuição diversa da pertinente à classe a que pertencer, não poderá, em caso algum, acarretar a sua reclassificação ou readaptação. § 2º. Apurado o desvio de função não permitido por lei, será aplicada ao servidor, quando for o caso, a penalidade de suspensão, sem vencimento, até que retorne às ocupações que competem á sua classe, sem prejuízo das demais complicações legais que couberem. CAPÍTULO VIII DA REMOÇÃO Art. 65. Remoção é o deslocamento do funcionário de um para outro órgão, ou unidade administrativa, e processar-se-á ex-ofício ou a pedido do funcionário. Parágrafo único - A remoção respeitará a lotação dos órgãos ou unidades administrativas interessados e será realizada, no âmbito de cada um, pelos respectivos chefes, cabendo ao Chefe do Poder Executivo efetuá-la de uma para outra Secretaria ou órgão que lhe seja diretamente subordinado. Art. 66. A remoção em qualquer caso dependerá da existência de claros na lotação. Art. 67. Ao funcionário será assegurado o direito de remoção para cargo equivalente, no lugar de residência do cônjuge, se este também for servidor público. Parágrafo único - Na impossibilidade de ocorrer a remoção, aplicar-se-á o disposto no art. 245. Art. 68. O interino não poderá ser removido, nem ter exercício em repartição ou serviço sediado em outra localidade que não aquela para a qual foi inicialmente nomeado ou lotado, ressalvados o interesse da administração e a hipótese de motivo de saúde, uma vez comprovadas, por junta médica oficial, as razões apresentadas pelo interessado. Art. 69. A remoção por permuta será processada a pedido escrito de ambos os interessados e de acordo com as demais disposições deste Capitulo. CAPÍTULO IX DA SUBSTITUIÇÃO Art. 70. Haverá substituição nos casos de impedimento legal ou afastamento do titular de cargo em comissão ou função gratificada. Parágrafo único - A regulamentação estabelecerá as autoridades competentes para designar substitutos de titulares de cargos em comissão ou função gratificada. Art. 71. a substituição será automática ou dependerá de ato da administração. § 1º. A substituição automática é a feita por funcionário previamente designado substituto do titular e será remunerado por todo o período, sempre que exceder de dez dias. § 2º - A substituição que depender de ato da administração será sempre remunerada. § 3º - A substituição perdurará durante todo o afastamento do substituído, salvo no caso de nomeação ou designação de outro ocupante para o cargo ou função, objeto da substituição, ou, ainda, no caso de nova designação de substituto. Art. 72 - Durante o tempo de substituição remunerada, o substituto receberá o vencimento ou gratificação do cargo ou função, ressalvado o caso de opção e vedada a percepção cumulativa de vencimentos gratificações ou vantagens. Art. 73 - Em caso de vacância, e até o seu provimento, poderá ser designado, pela autoridade competente, na forma da regulamentação própria, um responsável pelo expediente do cargo ou função. Parágrafo único - Ao responsável pelo expediente se aplicam as disposições do art. 72, referentes à, percepção do vencimento ou gratificação do cargo ou função pelo qual responder. CAPÍTULO X DA PROMOÇÃO Art. 74 - Promoção é a elevação do funcionário à classe imediatamente superior àquela a que pertence, dentro da mesma série de classes, obedecidos os critérios de merecimento e antigüidade, alternativamente. Art. 75 - Não poderá haver promoção de funcionário interino, em estágio probatório. ou em disponibilidade. Parágrafo único - Não haverá também promoção para classe em que houver cargo excedente. Art. 76 - Merecimento é a demonstração, por parte do funcionário; durante a sua permanência na classe, de fiel cumprimento dos seus deveres e de eficiência no exercício do cargo, apurada na forma regulamentar, bem como da posse de qualificações e aptidão necessárias ao desempenho das atribuições da classe imediatamente superior. Parágrafo único - Da apuração do merecimento será dado conhecimento ao funcionário. Art. 77 - A antigüidade será determinada pelo tampo de efetivo exercício na classe, apurado em dias. § 1º - Havendo fusão de classes, a antigüidade abrangerá o efetivo exercício na classe anterior. § 2º - O tempo de exercício interino, continuado ou não, será contado como antigüidade de classe, para efeito de promoção, quando o funcionário for nomeado em virtude de concurso para o mesmo cargo. Art. 78 - Poderão concorrer à promoção por merecimento somente os funcionários colocados, por ordem de antigüidade, nos dois primeiros terços da lista, ressalvada a hipótese de mais vagas do que candidatos, quando poderão ser promovidos os integrantes do terceiro terço. § 1º - A promoção por merecimento recairá no funcionário escolhido pelo Chefe do Poder Executivo, dentre os que figurem na lista previamente organizada pelo órgão competente. § 2º - A lista será organizada para cada classe, e da mesma constarão os nomes dos funcionários de maior merecimento, em número triplo ao das vagas a serem providas por este critério. Art. 79 - As promoções serão realizadas de seis em seis meses, desde que verificada a existência da vagas. § 1º - Não decretada no prazo legal, a promoção produzirá seus efeitos a partir do último dia do respectivo semestre. § 2º - Para todos os efeitos, será considerado promovido o funcionário que vier a falecer ou for aposentado sem que tenha sido decretada, no prazo legal, a promoção que lhe cabia por antigüidade. Art. 80 - Será de dois anos de efetivo exercício na classe o interstício para promoção. Parágrafo único - Se não houver funcionário com o requisito indicado neste artigo, poderá, seja por antigüidade seja por merecimento, concorrer á promoção o que contar pelo menos trezentos e sessenta e cinco dias de efetivo exercício na classe. Art. 81 – O funcionário promovido passará, na classe superior, a contar novo interstício para efeito de nova promoção. Art. 82 - O funcionário submetido a processo disciplinar poderá ser promovido, mas a promoção, se pelo critério de merecimento, ficará sem efeito no caso de o processo resultar em penalidade. Art. 83 - Havendo empate na classificação por antigüidade, terá preferência o funcionário de maior tempo da serviço no Estado; continuando o empate, terá preferência, sucessivamente o de maior tempo de serviço público, o de maior prole e o mais idoso. Parágrafo único - No caso de promoção da classe inicial, o primeiro desempate terá determinado pela classificação obtida em concurso. Art. 84 - O funcionário em exercício de mandato eletivo somente por antigüidade poderá ser promovido. Art. 85 - Será declarado sem efeito o ato que houver decretado indevidamente a promoção, em benefício daquele a quem de direito cabia. § 1º - O funcionário promovido indevidamente não ficará obrigado a restituir o que a mais houver recebido. § 2º - O funcionário ao qual cabia a promoção será indenizado da diferença de vencimento a que tiver direito. Art. 86 - O processo de promoção ficará a cargo de Comissão de Promoção instituída por Lei. Art. 87 - O critério a que obedecer a promoção deverá vir expressa no decreto respectivo. CAPÍTULO XI DO ACESSO Art. 88 - Acesso é o ingresso do funcionário da classe final de uma série de classes na classe inicial de outra de formação profissional afim, porém de escalão superior, pelos critérios de merecimento e antigüidade, alternadamente, observadas estritamente as linhas de correlação definidas em Lei atendidos o requisito de habilitação profissional e o interstício na classe. Parágrafo único - Entende-se por série de classes auxiliar aquela da qual for facultado acesso a outra, de atividade correlata, tarefas mais complexas, maior grau de responsabilidade e vencimento superior, entendendo-se esta como série de classes principal. Art. 89 - Será de dois anos de efetivo exercício na classe o interstício para o funcionário concorrer ao acesso, reduzindo-se para trezentos e sessenta e cinco dias quando não houver funcionário que possua aquele tempo. Art. 90 - Para o acesso à série de classes cujo ingresso dependa de apresentação de tese, este título será obrigatoriamente exigido; para a acesso á série de classes, cuja exercício dependa de habilitação profissional específica, fica o candidato obrigado a apresentar o respectivo diploma ou certificado de habilitação em curso exigido pela legislação vigente. Art. 91 - Aplicam-se ao provimento por acesso as regras e demais condições relativas á promoção. Art. 92 - O Funcionário provido por acesso perceberá na nova classe o vencimento correspondente e terá reiniciada a contagem do seu tempo de serviço, para efeito de promoção. Art. 93 - O acesso se processará de seis em seis meses, imediatamente após á época fixada para as promoções, sempre que houver vagas e candidatos com interstício. Parágrafo único - Se o acesso não se verificar na época própria, os direitos dele decorrentes retroagirão ao último dia do prazo para esse fim fixado, desde que o servidor permaneça em atividade. Art. 94 - Não poderá ser preenchida interinamente a vaga destinada a provimento por acesso. Art. 95 - O processo de provimento por acesso será organizado por Comissão de Acesso, instituída por Lei. CAPÍTULO XII DA TRANSFERÊNCIA Art. 96 - Transferencia é a passagem do funcionário de uma classe para outra, de igual nível de vencimento, mediante comprovação prévia de habilitação, por meio de provas, e cumprido o necessário Interstício. Art. 97 - A transferência far-se-á: I - a pedido do funcionário, atendida a conveniência do serviço; II - ex-ofício, no interesse da administração. § 1º - Em hipótese alguma será permitida a transferência ex-offício para outro cargo de vencimentos básicos diferentes. § 2º - As transferências não poderão exceder de um terço, das vagas de cada classe e só poderão ser efetuadas após a época prevista para promoção e acesso. § 3º - A transferência ex-officio não interromperá a contagem de tempo de serviço para efeito de promoção e acesso. Art. 98 - Caberá a transferência, atendidas as demais disposições previstas neste capítulo: I - de um cargo para outro, de igual denominação; II - de cargo integrante de uma série de classes para outro de série diferente; III - de cargo integrante de uma série de classes para cargo de classe singular; IV - de cargo de classe singular para cargo integrante de série de classes; V - de cargo de classe singular para outro de classe singular diferente. Art. 99 - O funcionário interino ou em estágio probatório não poderá ser transferido. Art. 100 - É de dois anos o interstício obrigatório na classe, para transferência. Art. 101 - A transferência por permuta, a pedido, será processada a requerimento firmado por ambos os interessados e de acordo com o prescrito neste Capitulo. Art. 102 - Compete ao Chefe do Poder Executivo proferir decisão final nos pedidos ou propostas de transferência, após o pronunciamento conclusivo do órgão central de pessoal do Estado. CAPÍTULO XIII DA READMISSÃO Art. 103 - Readmissão é o reingresso no serviço público estadual, sem ressarcimento de vencimentos e vantagens, do funcionário exonerado ou demitido, depois de apurado em processo, quanto ao segundo caso, que não subsistem os motivos que determinaram a demissão. Parágrafo único - A readmissão dependerá de prova de capacidade, mediante inspeção médica, e da existência de vaga, a ser provida pelo critério de merecimento. Art. 104 - A readmissão far-se-á de preferência no cargo anteriormente ocupado pelo funcionário. Parágrafo único - A readmissão podará efetivar-se em cargo de vencimento ou remuneração equivalente ao anteriormente ocupado pelo funcionário, atendido o requisito de habilitação profissional. Art. 105 - O tempo de serviço público estadual do readmitido, anterior á sua exoneração ou demissão, será contado para todos os efeitos legais. CAPÍTULO XIV DA REINTEGRAÇÃO Art. 106 - A reintegração, que decorrerá de decisão administrativa ou judiciária, é o reingresso do funcionário no serviço público, com ressarcimento dos vencimentos e vantagens do cargo. Parágrafo único - A decisão administrativa que determinar a reintegração será proferida em pedido de reconsideração, em recurso ou em revisão de processo. Art. 107 - A reintegração será feita no cargo anteriormente ocupado; se este houver sido transformado, no resultante da transformação, e, se extinto, em cargo de nível de vencimento equivalente, comprovada pelo órgão competente a habilitação do funcionário. Parágrafo único - Não sendo possível fazer a reintegração pela forma prescrita neste artigo, será o ex-funcionário posto em disponibilidade no cargo que exercia, cabendo-lhe a retribuição que percebia na data do afastamento. Art. 108 - Reintegrado judicialmente o funcionário, quem lhe ocupava o lugar será exonerado ou será reconduzido ao cargo anteriormente ocupado, sem direito, em ambos os casos, a qualquer indenização. Art. 109 - O funcionário reintegrado será submetido a inspeção médica e aposentado, quando julgado incapaz, no cargo em que houver sido reintegrado. CAPÍTULO XV DO APROVEITAMENTO Art. 110 - Aproveitamento é o retorno do funcionário em disponibilidade ao exercício de cargo público. Art. 111 - Será obrigatório o aproveitamento do funcionário estável em cargo de natureza e vencimento ou remuneração compatíveis com os do anteriormente ocupado. Parágrafo único - O aproveitamento dependerá de prova de capacidade, mediante inspeção médica. Art. 112 - Na ocorrência de vaga nos quadros do pessoal do Estado, o aproveitamento terá precedência sobre as demais formas de provimento. § 1º - Havendo mais de um concorrente à mesma vaga, terá preferência o de maior tempo da disponibilidade, e, em caso de empate, o de maior tempo de serviço público estadual. § 2º - O aproveitamento far-se-á a pedido ou ex-offício, respeitada sempre a habilitação profissional. § 3º - Se o aproveitamento se der em cargo de vencimento inferior ao provento da disponibilidade, terá o funcionário direito à diferença. Art. 113 - Será tornado sem efeito o aproveitamento e cassada a disponibilidade do funcionário se este, cientificado expressamente do ato de aproveitamento, não tomar posse no prazo legal, com perda de todos os direitos de sua anterior situação, salvo caso de doença comprovada em inspeção médica. Parágrafo único - Provada em inspeção médica a incapacidade definitiva, será decretada a aposentadoria, e para o cálculo do tempo desta será levado em conta o período da disponibilidade. CAPÍTULO XVI DA REVERSÃO Art. 114 - Reversão é o reingresso no serviço Público do funcionário aposentado, quando insubsistentes os motivos da aposentadoria. Art. 115 - A reversão far-se-á ex-offício ou a pedido, de preferencia no mesmo cargo ou naquele em que se tenha transformado, ou em cargo de vencimento ou remuneração equivalente ao do anteriormente ocupado, atendido o requisito de habilitação profissional. § 1° - Para que a reversão possa efetivar-se, é necessário que o aposentado: a) - não haja completado cinqüenta e cinco anos de idade; b) - não conte mais de vinte e cinco anos de tempo de serviço e de inatividade computados em conjunto; c) - seja julgado apto em inspeção de saúde; d) - tenha o seu retorno à atividade considerado como de interesse do serviço público, a juízo da Administração. § 2º - A reversão, a pedido, em cargo que a Lei determinar seja preenchido por promoção ou acesso, pelo critério de merecimento, somente será feita quando ficar comprovado inexistir funcionário habilitado ao seu preenchimento. Art. 116 - A reversão do funcionário aposentado dará direito, em caso de nova aposentadoria, à contagem do tempo em que esteve aposentado. Art. 117 - O funcionário que reverter não será aposentado novamente, sem que tenham decorrido cinco anos de efetivo exercício, salvo se a aposentadoria for por motivo de saúde. Art. 118 - Será tornada sem efeito a reversão do funcionário que não tomar posse a entrar em exercício dentro dos prazos legais. CAPÍTULO XVII DA READAPTAÇÃO Art. 119 - Readaptação é o provimento do funcionário em cargo mais compatível com a sua capacidade física ou intelectual e vocação, podendo ser realizada ex-offício ou a pedido do interessado. Art. 120 - A readaptação verificar-se-á: I - quando ficar comprovada a modificação do estado físico ou das condições de saúde do funcionário, que lhe diminua a eficiência para a função; II - quando o nível de desenvolvimento mental do funcionário não mais corresponder às exigências da função; III - quando a função atribuída ao funcionário não corresponder aos seus pendores vocacionais; IV - quando se apurar que o funcionário não possui a habilitação profissional exigida em lei para. o cargo que ocupa; V - ...vetado... Art. 121 - O processo de readaptação baseado nos incisos I e II, do artigo anterior, será iniciado mediante laudo firmado por junta médica oficial do órgão competente. Art. 122 - A readaptação não acarretará redução de vencimento e vantagens legais efetivamente percebidos, assegurando-se sempre a diferença a que o servidor fizer jus, quando for o caso de readaptação em cargo de nível inferior. § 1º - O cargo indicado sendo do mesmo nível de vencimentos, a readaptação far-se-á mediante o instituto da transferência. § 2º - A readaptação por transferência não dependerá da satisfação de condições de habilitação prevista no art. 96, e será feita mediante proposta do Secretário de Estado ou do Diretor do Departamento Autônomo. TÍTULO IV CAPÍTULO ÚNICO DA VACÂNCIA DOS CARGOS Art. 123 - A vacância do cargo decorrerá de: I - Exoneração; II - demissão; III - promoção e acesso;’ IV - transferência; V - readaptação; VI - aposentadoria; VII - nomeação para outro cargo, ressalvados os seguintes casos: a) - substituição; b) - cargo de governo ou de direção; c) - cargo em comissão; d) - acumulação legal, desde que, no ato de provimento, conste esta circunstância, VIII - falecimento. Art. 124 - Dar-se-á a exoneração: I - a pedido; II - ex-offício a) - quando se tratar de cargo em comissão ou provido interinamente; b) - quando não satisfeitas as condições de estágio probatório. Art. 125 - A vaga ocorrerá na data: I - da publicação do ato de promoção, aceso transferência, readaptação, aposentadoria, exoneração ou demissão do ocupante do cargo; II - da posse em outro cargo, observado o disposto no inciso VIII do art. 123; III - do falecimento do ocupante do cargo; IV - da vigência do ato que criar o cargo e conceder dotação para o seu provimento ou do que determinar esta última medida, se o cargo estiver criado; V - da vigência do ato que extinguir cargo, cuja dotação permita o preenchimento de cargo vago. Parágrafo único. Verificada a vaga, serão consideradas abertas, na mesma data, todas as que decorrerem do seu preenchimento. Art. 126 - Tratando-se de função gratificada, dar-se-á a vacância por dispensa, a pedido ou ex-offício, ou por destituição. Art. 127 - A demissão á aplicada como penalidade. T Í T U L O V DOS DIREITOS, VANTAGENS E CONCESSÕES CAPÍTULO I DO TEMPO DE SERVIÇO Art. 128 - Será considerado de efetivo exercício o afastamento em virtude de: I - férias; II - casamento, até oito dias; III - luto por falecimento do cônjuge, filho, pai, mãe e irmão, até oito dias; IV - trânsito; V - convocação para o serviço militar; VI - júri e outros serviços obrigatórios por lei; VII - exercício de função do governo ou administração em qualquer parte do território estadual, por nomeação do Chefe do Poder Executivo; VIII - exercício de cargo ou função do governo ou administração, por designação do Presidente da República ou através de mandato eletivo, na administração pública federal, estadual e municipal, inclusive autarquias sociedades de economia mista, empresas públicas e fundações instituídas pelo Poder Público; IX - missão ou estudo no exterior ou em qualquer parte do território nacional, quando o afastamento houver sido autorizado pelo Chefe do Poder Executivo; X - exercício de mandato legislativo da União, dos Estados e dos Municípios; XI - licença especial; XII - licença para tratamento de saúde; XIII - licença a funcionário que sofrer acidente no trabalho ou for atacado de doença profissional, na forma dos parágrafos 1º, 2º, 3° e 4°, deste artigo; XIV - licença à funcionária gestante; XV - faltas até o máximo de três durante o mês, por motivo de doença comprovada na forma regulamentar; XVI - licença para o trato de interesses particulares, desde que estas licenças não ultrapassem de noventa dias durante um quinquênio; XVII - licença por motivo de doença em pessoas da família: cônjuge, filhos, pai mãe ou irmão, até noventa dias num qüinqüênio; XVIII - licença compulsória; XIX - faltas não justificadas, não excedentes de sessenta dias, durante um quinquênio. § 1º - Para os efeitos desta lei, estende-se por acidente no trabalho o evento que cause dano físico ou mental ao funcionário por efeito ou na ocasião do serviço. § 2º - Equipara-se ao acidente no trabalho, quando não provocada, a agressão sofrida pelo funcionário no serviço ou em razão dele; § 3º - Por doença profissional, para os efeitos desta lei, entende-se aquela que decorrer das condições do serviço ou de fatos nele ocorridos. § 4º - Nos casos previstos nos parágrafos 1º, 2º e 3º, deste artigo, o laudo resultante da inspeção médica deverá estabelecer rigorosamente a caracterização do acidente no trabalho e da doença profissional. § 5º - É considerado como de efetivo exercício , para todos os efeitos legais, o período compreendido entre a data do laudo que determinar o afastamento definitivo do funcionário e a da decretação da respectiva aposentadoria, desde que esse período não ultrapasse 90 (noventa) dias. Art. 129 - Computar-se-á, para todos os efeitos legais: I - o tempo de serviço prestado ao Estado do Paraná, desde que remunerado; II - o período de férias não gozadas na administração estadual, contado em dobro. III - ....vetado .... IV - ....vetado .... Parágrafo único - ....vetado .... Art. 130 - Para os efeitos de aposentadoria e disponibilidade será computado integralmente: I - o tempo de serviço público federal, municipal e estadual prestado aos demais Estados da Federação; II - o período de serviço ativo nas forças Armadas prestado durante a paz, computado pelo dobro o tempo em operação de guerra; III - o tempo de serviço prestado em empresa pública, sociedade de economia mista ou fundação instituída pelo Poder Público estadual. IV - o período de trabalho prestado a instituição de caráter privado, que tiver transformada em estabelecimento de serviço público; V - o tempo em que o funcionário esteve em disponibilidade ou aposentado. VI - ...vetado... Parágrafo único - O tempo de serviço a que alude este artigo será computado à vista de certidões passadas pelo órgão competente e na forma da regulamentação própria. Art. 131 - Durante o exercício de mandato eletivo federal ou estadual, o funcionário fica afastado do exercício do cargo, e somente por antigüidade pode ser promovido ou provido por acesso, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para essa promoção, acesso e aposentadoria. § 1º - Se o mandato for de prefeito, o funcionário é licenciado com opção de vencimento e sem prejuízo dos demais direitos assegurados em lei. § 2º - Se o mandato for de vereador, o funcionário pode licenciar-se com perda de vencimento ou obter horário especial para freqüência às sessões da Câmara, com opção de vencimentos, se o mandato for remunerado. Art. 132 - A apuração do tempo de serviço será feita em dias. § 1º - O número de dias será convertido em anos, considerado o ano como de trezentos a sessenta e cinco dias. § 2º - Feita a conversão, os dias restantes até cento e oitenta e dois não serão computados, arredondando-se para um ano quando excederem esse número, nos casos de cálculo para efeito de aposentadoria e disponibilidade. Art. 133 - É vedada a acumulação de tempo de serviço prestado, concorrente ou simultaneamente, em dois ou mais cargos ou funções da União, dos Estados, Distrito Federal, Territórios, Municípios, Autarquias, Empresas Públicas, Sociedades de Economia Mista, Fundações instituídas pelo Poder Público e Instituições de caráter privado que hajam sido convertidas em estabelecimentos de serviço público. Art. 134 - ...vetado... CAPÍTULO II DA ESTABILIDADE Art. 135 - Estabilidade é a situação adquirida pelo funcionário efetivo, após o transcurso do período de estágio probatório, que lhe garante a permanência no cargo, dele só podendo ser demitido em virtude de sentença judicial ou de decisão em processo administrativo, em que se lhe tenha assegurado ampla defesa. Parágrafo único - A estabilidade diz respeito ao serviço público e não ao cargo ou função. Art. 136 - São estáveis, após dois anos de exercício, os funcionários, nomeados por concurso. Art. 137 - O funcionário somente perderá o cargo: I - quando vitalício, em virtude de sentença judiciária; II - quando estável, em virtude de sentença judiciária ou processo administrativo, que haja concluído pela sua demissão , depois de lhe haver sido assegurada ampla defesa. III - Em estágio probatório, quando nele não confirmado em decorrência do processo de que tratam os parágrafos 3º e 4º do art. 43, ou mediante inquérito administrativo. CAPÍTULO III DA APOSENTADORIA Art. 138 - O funcionário será aposentado: I - por invalidez; II - a pedido, depois de trinta e cinco anos de serviço; III - compulsoriamente, aos setenta anos de idade. § 1º - No caso do inciso II, o prazo é reduzido a trinta anos de serviço público, para as mulheres. § 2º - Atendendo à natureza especial do serviço , poderá ocorrer redução dos limites estabelecidos para a aposentadoria, na forma da legislação federal competente. § 3º - A aposentadoria por invalidez será sempre precedida de licença por período não inferior a vinte e quatro meses, salvo quando a Junta Médica declarar a incapacidade definitiva para o serviço ou na hipótese do art. 224. § 4º - Será aposentado o funcionário que for considerado inválido para o serviço e não puder ser readaptado, na forma do art. 212. § 5º - No caso do inciso II, o funcionário aguardará em exercício ou dele legalmente afastado, a publicação do ato da aposentadoria. § 6º - No caso do item III, o funcionário é dispensado do comparecimento ao serviço, a partir da data em que completar a idade limite. Art. 139 - O funcionário efetivo, quando aposentado por invalidez, terá provento correspondente ao vencimento ou remuneração integral de seu cargo. Parágrafo único - Quando se tratar de invalidez provocada por acidente no trabalho ou doença profissional, tais como configurados nos parágrafos 1º, 2º, 3º a 4º do art. 128, aplicar-se-á o disposto no presente artigo ao funcionário interino, salvo no caso de lhe ter sido assegurada a aposentadoria por outro órgão público. Art. 140 - O funcionário efetivo será aposentado a pedido: l - com provento correspondente ao vencimento ou remuneração integral do cargo efetivo; II - ...vetado... III - se houver exercido, por um período não inferior a cinco anos, ininterruptos ou não, um ou mais cargos em comissão ou funções gratificadas, com as vantagens do cargo em comissão ou função gratificada do nível mais elevado, desde que esse cargo ou função tenha sido exercido por um mínimo de doze meses. § 1º - A aplicação do estabelecido em qualquer dos incisos deste artigo exclui as vantagens instituídas nos demais incisos. § 2º - No caso do funcionário que, para o exercício de cargo em comissão, tiver optado pelo vencimento do cargo efetivo acrescido da gratificação prevista no art. 159, entende-se por vantagem do cargo em comissão, para os efeitos deste artigo, a percepção dessa gratificação. § 3º - Se, nas condições dos incisos II e III , deste artigo, o cargo em comissão exercido não se conformar á símbologia estabelecida para os cargos em comissão do Poder Executivo, poderá o funcionário aposentar-se com as vantagens do de maior símbolo. Nas mesmas condições igual benefício será assegurado pelo exercício de cargo diretivo de órgãos da administração indireta do Estado. § 4º - ...vetado... Art. 141 - O funcionário aposentado compulsoriamente por implemento de idade terá proventos proporcionais ao tempo de serviço. Art. 142 - Concorrendo as condições previstas para a aposentadoria a pedido, ao funcionário aposentado por invalidez ou compulsoriamente, serão aplicadas as disposições do art. 140. Art. 143 - Os proventos da inatividade serão sempre reajustados nas mesmas bases percentuais dos aumentos concedidos aos servidores em atividade, de categoria equivalente. §1º - Os reajustamentos de que trata este artigo, resguardam, ex-offício, ao funcionário inativo a melhor retribuição decorrente das hipóteses previstas no art. 140, independentemente de opção manifestada no ato da aposentadoria. § 2º - ...vetado... § 3º - ...vetado... Art. 144 - Ressalvado o disposto neste Capítulo, em caso nenhum os proventos da inatividade poderão exceder a remuneração percebida na atividade. Art. 145 - A aposentadoria produzirá efeito a partir da publicação do respectivo decreto no órgão oficial. CAPÍTULO IV DA DISPONIBILIDADE Art. 146 - Disponibilidade é o afastamento do funcionário efetivo em virtude de extinção do cargo, ou da declaração de sua desnecessidade. Art. 147 - O funcionário ficará em disponibilidade remunerada: l - quando, dispondo de estabilidade no serviço, houver sido extinto o cargo de que era, titular; II - quando, tendo sido reintegrado, não for possível, na forma deste Estatuto, sua recondução no cargo de que era detentor. § 1º - O funcionário em disponibilidade será obrigatoriamente aproveitado na primeira vaga que ocorrer, que não se destine a promoção por antigüidade, atendidas as condições de habilitação profissional e equivalência de vencimentos ou remuneração. § 2º - Restabelecido o cargo, ainda que modificada a sua denominação, será obrigatoriamente aproveitado nele, se já não o tiver sido em outro, o funcionário posto em disponibilidade quando da sua extinção. § 3º - A disponibilidade no cargo efetivo não exclui a nomeação para cargo em comissão, com direito a opção. § 4° - Enquanto não vagar cargo nas condições previstas para o aproveitamento do funcionário em disponibilidade, nem se verificar a hipótese a que alude o parágrafo anterior, poderá o Chefe do Poder Executivo atribuir-lhe, em caráter temporário, funções compatíveis com o cargo que ocupava. § 5° - O funcionário colocado em disponibilidade poderá ser aposentado, a pedido. Art. 148 - O período relativo à disponibilidade é considerado como de exercício somente para efeito de aposentadoria e gratificação adicional. CAPÍTULO V DAS FÉRIAS Art. 149º - O funcionário gozará trinta dias consecutivos de férias por ano, de acordo com a escala para este fim organizada, pelo chefe da unidade administrativa a que estiver subordinado e comunicada ao órgão competente. § 1º - É vedado levar à conta das férias qualquer falta ao trabalho. § 2º - Somente depois do primeiro ano de exercício, adquirirá o funcionário direito a férias. Art. 150 - O funcionário que, por imperiosa necessidade do serviço, deixar de gozar férias, a requerimento seu terá computado o respectivo período em dobro, para todos os efeitos legais, na forma da regulamentação própria. § 1º - Haverá presunção de impedimento decorrente de necessidade do serviço, quando o funcionário deixar de gozar férias e não houver sido comunicado o fato pelo seu chefe imediato ao órgão competente de pessoal. § 2º - O funcionário que não desejar o benefício deste artigo, poderá gozar as férias em outra época, num limite de dois períodos por ano. Art. 151 - Durante as férias, o funcionário terá direito a todas as vantagens, como se estivesse em exercício. Art. 152 - O chefe da repartição organizará, no mês de dezembro, a escala de férias para o ano seguinte, que poderá alterar de acordo com as conveniências do serviço, avisados os funcionário interessados, sempre que possível, com antecedência mínima de dez dias. Parágrafo único - Os funcionários que exerçam função de chefia a direção não serão compreendidos na escala. Art. 153 - O funcionário promovido, removido ou transferido, quando em gozo de férias, não será obrigado a interrompê-las. Art. 154 - Ao entrar em férias o funcionário comunicará ao chefe imediato o seu endereço eventual, sendo-lhe facultado gozá-las onde lhe aprouver. Art. 155 - Á Família do funcionário que falecer em gozo de férias, será pago o vencimento ou remuneração relativo à todo o período sem prejuízo do disposto no art. 205. CAPÍTULO VI DO VENCIMENTO E DA REMUNERAÇÃO Art. 156 - Vencimento é a retribuição pelo efetivo exercício do cargo, correspondente ao símbolo, ou nível fixado em lei. Art. 157 - Remuneração é a retribuição pelo efetivo exercício do cargo, correspondente ao vencimento mais as vantagens financeiras asseguradas por lei. Art. 158 - Perderá o vencimento ou remuneração do cargo efetivo o funcionário: I - nomeado para cargo em comissão, ressalvado o direito de opção e o de acumulação legal; II - em exercício de mandato eletivo da União, dos Estados e dos Municípios ressalvados os casos de opção; III - à disposição de outro Poder, ou de órgão público, de administração direta ou indireta, inclusive sociedade de economia mista, da União, ou de qualquer outra unidade da Federação, ou designado para servir em qualquer desses órgãos ou entidades, salvo quando se tratar de requisição da Presidência da República ou, a juízo do Chefe do Poder Executivo, de interesse do Estado do Paraná; IV - em missão ou estudo, na forma do inciso IX do art. 128, quando exceder o período de dois anos. Art. 159 - Ao funcionário nomeado para o exercício de cargo em comissão é facultado optar pelo vencimento desse cargo ou pala percepção do vencimento e demais vantagens do seu cargo efetivo, acrescido de gratificação fixa correspondente a vinte por cento do valor do símbolo do cargo em comissão respectivo. Parágrafo único - ...vetado... Art. 160 - O funcionário perderá: I - o vencimento ou remuneração do dia se não comparecer ao serviço, salvo motivo previsto em lei ou moléstia comprovada, de acordo com as disposições deste Estatuto; II - um terço do vencimento ou remuneração do dia, quando comparecer ao serviço com atraso máximo de uma hora, ou quando se retirar antes de findo o período de trabalho; III - um terço do vencimento ou remuneração, durante o afastamento por motivo de prisão preventiva, pronúncia por crime comum, denúncia por crime funcional, condenação recorrível por crime inafiançável ou processo no qual não haja pronúncia, com direito à diferença, se absolvido; IV - dois terços do vencimento ou remuneração durante o período de afastamento em virtude de condenação por sentença definitiva, a pena que não resulte em demissão. Art. 161 - Nenhum servidor poderá perceber vencimento básico inferior ao maior salário mínimo em vigor para o estado do Paraná. Art. 162 - O Vencimento, a remuneração e proventos não sofrerão descontos além dos previstos em lei nem serão objeto de arresto, seqüestro ou penhora, salvo quando se tratar de: I - prestação de alimentos determinada judicialmente; II - reposição ou indenização devida à Fazenda estadual. Art. 163 - As reposições e indenizações à Fazenda estadual serão descontadas em parcelas mensais, não excedentes da quinta parte do vencimento ou remuneração. § 1º - Nos casos de comprovada má fé, a reposição deve ser feita de uma só vez, sem prejuízo das penalidades cabíveis. § 2º - Quando o servidor for exonerado, dispensado ou demitido, a quantia devida será inscrita na Dívida Ativa . Art. 164 - Podem ser justificadas pelo chefe da repartição, mediante apresentação de atestado médico particular, as faltas correspondentes até três dias por mês. Parágrafo único - Não se considera justificado número maior de faltas, embora em seqüência que abranja dois meses consecutivos. CAPÍTULO VII DA CONSIGNAÇÃO Art. 165 - É permitida a consignação em folha de vencimento remuneração ou proventos, a entidades beneficentes ou de direito público, podendo servir a garantia de: I - caução para o exercício do próprio cargo ou função; II - juros e amortização de empréstimos ou financiamentos imobiliários; III - pagamento de contribuições e despesas financiadas ou afiançadas por entidades associativas e beneficentes ou de previdência social. Art. 166 - Além da consignação em folha para fins do artigo anterior, poderão ser admitidos os seguintes descontos: I - quantias devidas ou contribuições fixadas em lei a favor da Fazenda Estadual ou Nacional; II - contribuições para montepio, ou pensão , desde que de instituições oficiais; III - prêmio de seguro de vida; IV - pensão alimentícia, em cumprimento de decisão judicial. V - aluguel para residência do consignante e sua família, comprovado com o contrato de locação. Art. 167 - Nenhum desconto deverá ser efetuado em folha, sem prévia averbação na ficha financeira individual. Parágrafo único - O pagamento ao consignatário será realizado no decorrer do mês subseqüente ao do desconto. Art. 168 - A soma das consignações não deverá exceder a quarenta por cento do vencimento, remuneração ou provento. Parágrafo único - Este limite poderá ser elevado até setenta por cento, para prestação alimentícia, educação , aluguel de casa ou aquisição de imóvel destinado a moradia própria e despesas hospitalares. CAPÍTULO VIII DAS VANTAGENS SEÇÃO I Disposições Preliminares Art. 169 - Além do vencimento ou remuneração, poderá o funcionário perceber as seguintes vantagens pecuniárias: I - adicionais; II - gratificações; III - ajuda de custo; IV - diárias; V - salário-família; VI - auxílio para diferença de caixa; VII - auxilio doença SEÇÃO II Dos Adicionais Art. 170 - O funcionário efetivo ou interino terá acréscimo aos vencimentos, de cinco em cinco anos de exercício, cinco por cento até completar vinte e cinco por cento, por serviço público efetivo prestado ao Estado do Paraná. Parágrafo único - A incorporação do acréscimo será imediata, inclusive para efeito da aposentadoria o disponibilidade, e será computada igualmente sobre as alterações dos vencimentos do cargo efetivo, somados ao anteriormente deferido. Art. 171 - Ao completar trinta anos da exercício o funcionário terá direito ao acréscimo aos vencimentos de cinco por cento por ano excedente, até o máximo de vinte e

Esta matéria pode ser reproduzida desde que citada a fonte.

Notícias relacionadas

Nenhum registro encontrado.

Av. Marechal Deodoro, 314, 8º andar, conjunto 801 - Edifício Tibagi, Curitiba, PR CEP: 80010-010 Telefone: (41) 3322-0921 E-mail: contato@sindsaudepr.org.br

DOHMS